Affective map of Rocas neighborhood – Natal, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.21142/DES-1602-2024-0020

Keywords:

Affective Map, city, memory, visual anthropology, Rocas

Abstract

This work, conducted at the Núcleo de Antropologia Visual (NAVIS/UFRN), aims to carry out an anthropological research to create an Affective Map of the Rocas neighborhood, located in the East Zone of Natal, in the state of Rio Grande do Norte, Brazil. The affective map, guided by emotions, seeks to open spaces for counter-hegemonic narratives. The choice of the Rocas neighborhood follows previous research by NAVIS, which investigates tensions in the historic neighborhoods of Natal. For this work, we will use methods such as image capture, walks, assemblages, and (re)assemblages of maps. Thus, we position ourselves from knowledge that questions Eurocentric rationality, proposing confrontations to this unique, modern, capitalist, and Western episteme. The project seeks to diversify the ways of sharing results and contribute to a broader understanding of urban and visual experiences.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

  • Arthur Leonardo de Lima Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

    Cientista Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2016), Mestre em Antropologia Visual (PPGAS/UFRN) e pesquisador do Núcleo de Antropologia Visual (NAVIS/UFRN).

  • Lisabete Coradini, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

    Antropóloga e Doutora em Antropologia pela Universidad Nacional Autónoma de México (2000). Professora titular do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Coordenadora do NAVIS/UFRN. Coordenadora do NAVIS e presidente do PPV 2023/2024.

References

Bruno, F. (2019). Potencialidades da experimentação com as grafias no fazer antropológico: imagens, palavras, montagens. Tessituras, 7(2), 198-212.

Careri, F. (2013). Walkscapes: O caminhar como prática estética. Gustavo Gili.

Careri, F. (2017). Caminhar e parar. Gustavo Gili.

Cascudo, L. C. (1999). História da cidade do Natal. (3.ª ed.). Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.

Césaire, A. (2020). Discurso sobre o colonialismo. Veneta.

Cunha, O. M. (2005). Do ponto de vista de quem? Diálogos, olhares e etnografias dos/nos arquivos. Estudos Históricos, 2(36), 7-32.

Costa, M. C. C. (2010). Etnografia de arquivos – entre o passado e o presente. Matrizes, 3(2), 171-186.

Coradini, L. (1995). Praça XV: Espaço e sociabilidade. Coleção Teses: Volume V. Letras Contemporâneas.

Coradini, L. (2016). As interferências urbanas na cidade de Natal: um ensaio sobre linhas, cores e atitudes. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, 47(1), 149-170.

Coradini, L. e Barbosa Júnior, J. D. (2014). (Orgs.) A cidade e suas imagens. EDUFRN.

Didi-Huberman, G. (2017). Quando as imagens tomam posição: O olho da história, I. UFMG.

Didi-Huberman, G. (2020). Imagens apesar de tudo. (1.ª ed.). Editora 34.

Duarte, E. (2006). Desejo de cidade – Múltiplos tempos, das múltiplas cidades, de uma mesma cidade. Em A. Prysthon (org.), Imagens da cidade: Espaços urbanos na comunicação e cultura contemporâneas (pp. 100-114). Sulina.

Eckert, C. e Rocha, A. L. C. (2003). Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. Iluminuras, 4(7). https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/9160/5258

Eckert, C., Rocha, A. L. C. (2011). Etnografia da duração nas cidades em suas consolidações temporais. Política & Trabalho, 34(34), 107-126. https://periodicos.ufpb.br/index.php/politicaetrabalho/article/view/12185

Eckert, C. e Rocha, A. L. C. (2013). Antropologia da e na cidade, interpretações sobre as formas da vida urbana. Marcavisual.

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas. EDUFBA.

Frehse, F. (2005). Os informantes que jornais e fotografias revelam: para uma etnografia da civilidade nas ruas do passado. Estudos Históricos, 2(36), 131-156.

Garcia, E. A. (2018). Das lagoas azuis ao ponto negro. Offset Editora.

Gonçalves, B. S. (2019). Nos caminhos da dupla consciência: América Latina, psicologia e descolonização. Edição do autor.

Huyssen, A. (2014). Culturas do passado presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Contraponto, Museu de Arte do Rio.

Ingold, T. (2011). Being alive. Essays on movement, knowledge and description. Routledge.

Ingold, T. (2012). Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, 18(37), 25-44.

Ingold, T. (2015). O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, 21(44), 21-36.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. (2021). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua). IBGE.

Magnani, J. G. C. (2014). O Circuito: proposta de delimitação da categoria. Ponto Urbe, 15. https://journals.openedition.org/pontourbe/2041

Mignolo, W. (2003). Histórias locais, projetos globais: colonialidade, saberes subalternos, e pensamento limiar. UFMG.

Natal. Prefeitura Municipal. (2006). Secretaria Especial de Meio Ambiente e Urbanismo - Natal (RN). Natal ontem e hoje. Departamento de Informação, Pesquisa e Estatística.

Pavan, M. A. e Coradini, L. (2017). Mulheres das Rocas: imersão do documentário no espaço-tempo dos personagens do samba em Natal/RN. Vivência, Revista de Antropologia, 50, 133-144.

Pavan, M. A. e Coradini, L. (2018). No tabuleiro com as coletoras de frutas (mangabas): como construir um documentário com a extensão do tempo. Em M. A. Pavan e L. Coradini. (orgs.), Narrativas, Memórias e Itinerários: cadernos de campo (pp. 263-285). (1.ª ed.). EDUEPB.

Pedroza, C. (2022). Uma história das Rocas. (2.ª ed.). Sebo Vermelho.

Pereira, J. R. S. e Registro, M. (2022). Antropologizando a cartografia afetiva: práticas de cuidado como formas de resistência e re-existência. Campos, 23(1), 122-142.

Prysthon, A. (2006). (Org.). Imagens da cidade: espaços urbanos na comunicação e cultura contemporâneas. Sulina.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Em E. Lander (org), A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latinoamericanas. CLACSO.

Ricoeur, P. (1994). Tempo e Narrativa. Tomo I. Papirus.

Silva, T. A. (2023). Afroturismo como ferramenta para um turismo antirracista: estudo de possibilidades no Bairro das Rocas em Natal/RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Samain, E. (2012). (Org.). Como pensam as imagens. Editora da Unicamp.

Spivak, G. C. (2010). Pode o subalterno falar? (1.ª ed.). Editora da UFMG.

Filmografia

Coradini, L. e Pavan, M. A. (2014). «Seu Pernambuco». 8 min. NAVIS/PRAGMA/UFRN, Proex.

Coradini, L. e Pavan, M. A. (2015). «Mestre Zorro». 10 min. NAVIS/PRAGMA/UFRN, Proex.

Coradini, L. e Pavan, M. A. (2015). «As mulheres das Rocas são as vozes do Samba». 20 min. NAVIS/PRAGMA/UFRN, Proext.

Downloads

Published

2024-04-30

How to Cite

Affective map of Rocas neighborhood – Natal, Brazil. (2024). Desde El Sur, 16(2), e0020. https://doi.org/10.21142/DES-1602-2024-0020

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 4 5 > >> 

Similar Articles

1-10 of 48

You may also start an advanced similarity search for this article.